Revista Brasileira de Ciências do Esporte Revista Brasileira de Ciências do Esporte
Artigo original
Análise do ataque do jogador de ponta no voleibol brasileiro masculino
Analysis of left side hitter on men's Brazilian volleyball
Análisis del ataque del jugador de punta en el vóleibol brasileño masculino
Gustavo De Conti Teixeira Costaa,, , Auro Barreiros Freireb, Carmen Fernández‐Echeverríac, Breno Ferreira de Britto Evangelistad, Gustavo Ferreira Pedrosae, Herbert Ugrinowitschf, Henrique de Oliveira Castrog
a Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Educação Física e Dança, Goiânia, GO, Brasil
b Universidade Federal de Belo Horizonte, Faculdade de Educação Física, Belo Horizonte, MG, Brasil
c Universidad de Extremadura, Facultad de Ciencias del Deporte, Cáceres, Espanha
d Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), Departamento de Educação Física, Belo Horizonte, MG, Brasil
e Centro Universitário de Belo Horizonte, Faculdade de Educação Física, Belo Horizonte, MG, Brasil
f Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Belo Horizonte, MG, Brasil
g Centro Universitário Estácio Brasília, Faculdade de Educação Física, Taguatinga, DF, Brasil
Recebido 23 Fevereiro 2018, Aceitaram 12 Julho 2018
Resumo

Este estudo objetivou identificar e analisar as chances de ocorrerem os efeitos dos ataques feitos pelos atacantes de ponta, a partir das posições 4 e 6, no side‐out, segundo o efeito da recepção, tempo de ataque e o tipo de ataque. Foram analisados 142 jogos da Superliga Masculina 2014‐2015, total de 6.185 ações de ataque. Os pontos de ataque foram predominantes após as recepções de excelente qualidade e os ataques potentes. Houve diferença no efeito da recepção, tipo de ataque e efeito do ataque, segundo o local da finalização (x2=33,68; p<0,001). Os ataques de ponta se caracterizaram por serem feitos após recepções que permitem o ataque organizado e pela potência do ataque. O local de ataque mostrou‐se como diferenciador do tipo de ataque feito, sugeriu que as restrições ambientais exigem do atacante de ponta comportamento distinto em função do local da finalização.

Abstract

This study aimed to identify and analyse the chances to occur of the attack effects carried out from positions 4 and 6, the left‐side attackers, in the side‐out, according to the reception effect, attack tempo and attack type. It was analyzed 142 games of the 2014‐2015 Men's Superleague, totaling 6185 attacks. The points of attack were predominant by the reception of excellent quality and the powerful attacks. There was difference in the effect of the reception, attack type and attack effect, according to the place of (x2=33,68; p<0,001). Attacks for zone 4 and 6 were characterized by being performed after receptions that allow the organized attack and the power of the attack. The attack place proved to be a differentiator of the attack type carried out, suggesting that the environmental restrictions require the attacker to behave differently according to the place of attack.

Resumen

El objetivo de este estudio fue identificar y analizar las posibilidades de que se produjeran los efectos de los ataques feitos por los atacantes de punta, a partir de las posiciones 4 y 6, en el side‐out, según el efecto de la recepción, tiempo de ataque y tipo de ataque. Se analizaron 142 partidos de la Superliga Masculina 2014‐2015, con un total de 6.185 ataques. Dominaron los puntos de ataque después de la recepción de buena calidad y los ataques fuertes. Hay diferencia en la recepción, el tipo del ataque y el efecto del ataque según el lugar de la finalización (x2=33,68; p<0,001). Los ataques de punta se caracterizaron por su realización después de las recepciones que permitían el ataque organizado y por la fuerza del ataque. El lugar de ataque es un diferenciador del tipo de ataque feito y las restricciones ambientales exigen del atacante de punta un comportamiento diferente en función del lugar de la finalización.

Palavras‐chave
Voleibol masculino, Efeito do ataque, Ataque de ponta, Análise de jogo
Keywords
Men's volleyball, Attack effect, Ponta attack, Game analysis
Palabras clave
Vóleibol masculino, Efecto del ataque, Ataque de punta, Análisis de juego
El Texto completo solo está disponible en PDF
Introdução

A análise de jogo no voleibol masculino de alto nível mostra que a qualidade da recepção influencia na organização do ataque, na determinação do local do levantamento e na estratégia de jogo, notadamente na velocidade da distribuição. Além disso, há uma tendência dos ataques feitos pelos pontas e opostos serem os mais solicitados, uma vez que mostram‐se menos dependentes da qualidade da recepção para incorporar o sistema ofensivo (Costa et al., 2016a). Nesse âmbito, ao considerar os padrões emergentes do jogo de voleibol, percebe‐se a reivindicação do sistema ofensivo composto por quatro atacantes (Silva et al., 2016). Assim, para que se estabeleça tal configuração, é essencial que ocorram ataques pelo fundo de quadra (Costa et al., 2016b). Além disso, verifica‐se que há relação entre a qualidade do primeiro contato, recepção ou defesa, com o efeito do ataque, o ataque no side‐out mostra‐se mais recorrente e prediz a vitória no set e no jogo (Garcia‐Hermoso et al., 2013; Marcelino et al., 2014).

Pesquisas em voleibol que objetivaram compreender o jogo em função do resultado final da partida (Silva et al., 2014), da classificação final da equipe na competição (Gomez et al., 2014) e do tipo de jogo praticado (Peña e Casals, 2016) mostraram que níveis elevados de desempenho no saque (Paulo et al., 2017), ataque (Costa et al., 2017; Penã et al., 2013) e bloqueio (Silva et al., 2014) são determinantes de sucesso na partida. Assim, dentre as resultantes das ações de jogo observa‐se que o efeito do ataque é o fator que mais determina a vitória do set (Campos et al., 2014), principalmente quando feito após a recepção (Paulo et al., 2016).

Nesse contexto, percebe‐se que os fatores que identificam as razões de chance de ocorrerem os efeitos dos ataques estão relacionados aos efeitos mais elevados da recepção (Peña e Casals, 2016; Silva et al., 2016), ao tempo de ataque mais rápido e ao ataque feito com potência (Costa et al., 2017). Para além disso, outros estudos, que analisaram a estruturação ofensiva, mostraram que há diferenças na disponibilidade do atacante central para o ataque (Mesquita et al., 2013), no número de atacantes disponíveis e na relação entre a recepção e o ataque (Costa et al., 2017).

Contudo, há uma lacuna na literatura, uma vez que não foram encontrados estudos que analisaram as chances de ocorrer os efeitos dos ataques de acordo com a posição em que esse foi feito. Nesse sentido, sabendo‐se que existe uma tendência de maior solicitação dos atacantes de ponta (Costa et al., 2016a, 2017) e que esses são reivindicados, preferencialmente, para os ataques pela posição 4 e 6, o presente estudo tem como objetivo identificar e analisar as chances de ocorrer os efeitos dos ataques feitos pelos atacantes de ponta, a partir das posições 4 e 6, no side‐out, segundo o efeito da recepção, tempo de ataque e o tipo de ataque, que a partir desse momento serão designados como procedimentos de jogo.

Material e métodosAmostra

A amostra constituiu‐se pela observação de 142 jogos da Superliga Masculina 2014‐2015, total de 6.185 ações ofensivas correspondentes ao side‐out, ou seja, de recepção, levantamento e ataque das posições 4 e 6, feitos pelos atacantes de ponta. As recepções erradas foram excluídas da amostra, uma vez que não possibilitaram a continuação da ação e posterior feitura do ataque por esses atacantes. O voleibol masculino brasileiro está classificado entre as três principais equipes nacionais de vôlei masculino do mundo (www.fivb.org) e a maioria dos seus jogadores participa da Superliga Brasileira. Essa condição dá representatividade à amostra do estudo em relação ao que ocorre no voleibol em nível mundial.

Variáveis

Efeito da recepção: adaptou‐se o instrumento proposto por Maia e Mesquita (2006):

  • Baixa qualidade (C): recepção que não permitiu a organização do ataque.

  • Moderada qualidade (B): Recepção que permitiu o ataque organizado, embora nem todos os atacantes estivessem disponíveis para o ataque.

  • Excelente qualidade (A): recepção que permitiu o ataque organizado com todos os atacantes disponíveis para o ataque.

Tempo de ataque: usou‐se o instrumento proposto por Afonso et al. (2010):

  • 1° tempo: o atacante saltou durante ou imediatamente após o levantamento, pode ocorrer um passo após o levantamento;

  • 2° tempo: o atacante fez dois ou três passos após o levantamento;

  • 3ª tempo: o atacante esperou a bola atingir o pico da trajetória ascendente e só então começou a passada de ataque.

Tipo de ataque: usou‐se o instrumento proposto por Costa et al. (2011). Os ataques que exploraram o bloqueio, quando feitos com potência, foram agrupados com os ataques potentes na paralela ou diagonal, enquanto os ataques colocados que exploraram o bloqueio foram agrupados na categoria ataques colocados:

  • Potente na paralela (APP): ataque feito em trajetória descendente, paralelamente à linha lateral e que imprimiu potência máxima ao golpe.

  • Potente na diagonal (APD): ataque feito em trajetória descendente, diagonalmente a linha lateral e que imprimiu potência máxima ao golpe.

  • Ataque colocado: a bola é contatada na parte inferior.

Efeito do ataque: usou‐se uma adaptação do instrumento proposto por Marcelino et al. (2011) e obtiveram‐se as seguintes categorias:

  • Erro: atacante falhou no ataque, golpeou a bola na rede, para fora ou ocorreu alguma infração ao regulamento.

  • Bloqueio: atacante falhou no ataque devido ao bloqueio adversário.

  • Continuidade: a ação de ataque não resultou em uma ação terminal e permitiu o contra‐ataque adversário.

  • Ponto: o ataque resultou em ponto direto.

Procedimento de recolha de dados

Todos os jogos foram gravados a partir da perspectiva de topo, ou seja, cerca de 7‐9 metros atrás da linha de fundo da quadra, e a câmera foi posicionada aproximadamente a três metros acima do nível do solo para melhor visualização das cenas de vídeo. Os observadores foram profissionais de educação física com experiência mínima de cinco anos na função de analisadores observacionais. Para o cálculo da confiabilidade, 20% das ações foram reanalisadas, ultrapassaram o valor de referência de 10% (Tabachnick e Fidell, 2013). Os valores de Kappa de Cohen para a confiabilidade inter e intraobservador, respectivamente, foram: efeito da recepção=0,98 e 0,96; tempo de levantamento=0,90 e 0,92; tipo de ataque=1,00 e 1,00; efeito do ataque=1,00 e 1,00. Nesse sentido, os valores da confiabilidade encontram‐se acima do valor de referência, que é de 0,75 (Fleiss, 2003).

Procedimentos estatísticos

Foi feita uma análise descritiva e posteriormente fez‐se a análise logística multinominal, observou‐se a relação das variáveis independentes com a variável dependente uma a uma. Para caracterização do jogo praticado pelos atacantes das posições 4 e 6, considerou‐se como variável dependente o efeito ataque e como variáveis independentes o efeito da recepção, o tempo de ataque e o tipo de ataque. Para a diferenciação dos procedimentos de jogo em função da posição do ataque, ou seja, como os procedimentos de jogo diferenciaram‐se em função do local do ataque (posições 4 e 6), recodificou‐se o efeito da recepção em: recepção que permite usar todas as opções de ataque e recepção que não permite usar todas as opções de ataque. Além disso, desconsideraram‐se os ataques colocados devido à baixa ocorrência e foram analisados apenas os ataques de 2° tempo, devido à ocorrência reduzida dos demais tempos de ataque na posição 6. Esses ajustes foram necessários devido às inconsistências apresentadas no modelo ajustado da regressão logística multinomial com as categorias estipuladas previamente. No tratamento dos dados adotou‐se o valor de significância de 5% (p≤0,05) e usou‐se o software SPSS versão 20.0.

Resultados

A análise descritiva mostrou que os ataques, em sua maioria, ocorreram após a recepção excelente e o 2° tempo de ataque, bem como foram potentes e culminaram em pontos. A análise das chances de ocorrer os efeitos dos ataques feitos segundo os procedimentos de jogo, pelo atacante de ponta, mostrou‐se estatisticamente significativa (x2=336,68; p<0,0001), conforme apresentado na tabela 1.

Tabela 1.

Chances de ocorrer o efeito do ataque do jogador ponta

Efeito do ataquea    N%OR brutoOR ajustadoIC 95% para ORP
    Limite inferior  Limite superior 
PontoRecepção A  2091  69,9%  2,011  1,828  1,300  2,572  0,001c 
Recepção B  700  23,4%  1,073  1,001  0,718  1,396  0,993 
RecepçãoCb  200  6,7%           
1° Tempo  429  14,3%  1,642  1,203  0,873  1,659  0,259 
2° Tempo  1797  60,1%  1,416  1,075  0,863  1,340  0,516 
3° Tempob  765  25,6%           
APP  1059  35,4%  2,003  1,999  1,459  2,737  <0,001c 
APD  1748  58,4%  1,984  2,006  1,488  2,705  <0,001c 
Ataque colocadob  184  6,2%           
ContinuidadeRecepção A  877  55,2%  1,095  1,293  0,906  1,845  0,157 
Recepção B  558  35,1%  1,111  1,240  0,880  1,747  0,219 
RecepçãoCb  154  9,7%           
1° Tempo  181  11,4%  0,915  0,837  0,594  1,180  0,311 
2° Tempo  829  52,2%  0,863  0,812  0,645  1,022  0,076 
3° Tempob  579  36,4%           
APP  481  30,3%  0,632  0,626  0,459  0,853  0,003c 
APD  843  53,1%  0,664  0,661  0,494  0,884  0,005c 
Ataque colocadob  265  16,7%           
BloqueioRecepção A  563  56,9%  0,694  0,866  0,601  1,248  0,439 
Recepção B  271  27,4%  0,533  0,584  0,410  0,832  0,003c 
RecepçãoCb  156  15,8%           
1° Tempo  106  10,7%  0,772  0,729  0,501  1,061  0,098 
2° Tempo  482  48,7%  0,723  0,693  0,539  0,891  0,004c 
3° Tempob  205  40,6%           
APP  367  37,1%  1,317  1,395  0,980  1,985  0,065 
APD  526  53,1%  1,132  1,148  0,820  1,608  0,420 
Ataque colocadob  97  9,8%           
a

A categoria de referência para a variável dependente é o erro do ataque.

b

A categoria de referência para a variável independente.

c

Diferença para p<0,05.

A análise das chances de ocorrer o ataque pela posição 4 ou 6 segundo os procedimentos de jogo em função do local da finalização mostrou‐se estatisticamente significativa (x2=336,68; p<0,001), conforme apresentado na tabela 2.

Tabela 2.

Chances de ocorrer o ataque segundo o local da finalização

Ataque da posição 4a    Posição 4Posição 6OR brutoOR ajustadoIC 95% para ORp
    Limite inferior  Limite superior 
Efeito da recepçãoRecepção que permite usar todas opções de ataque  3210  61%  659  71,3%  0,630  0,668  0,571  0,782  <0,001c 
Recepção que não permite usar todas as opções de ataqueb  2051  39%  265  28,7%           
Tipo de ataqueAPP  1702  36,6%  409  44,3%  0,728  0,728  0,630  0,841  <0,001c 
APDb  2942  63,4%  515  55,7%           
Efeito do ataquePonto  2455  46,7%  536  58%  1,238  1,330  1,063  1,665  0,013c 
Continuidade  1441  27,4%  148  16%  2,321  2,316  1,777  3,019  <0,001c 
Bloqueio  873  16,6%  117  12,7%  1,938  1,996  1,507  2,644  <0,001c 
Errob  492  9,4%  123  13,3%           
a

A categoria de referência para a variável dependente é o ataque da posição 6.

b

A categoria de referência para a variável independente.

c

Diferença para p<0,05.

Discussão

O objetivo do presente estudo foi identificar e analisar as chances de ocorrerem os efeitos dos ataques feitos pelos atacantes de ponta, a partir das posições 4 e 6. Assim, a análise descritiva mostrou que esses ataques ocorreram, em sua maioria, após as recepções A, após o 2° tempo de ataque, por meio dos ataques potentes na diagonal ou paralela e culminaram em ponto. Esses resultados corroboram a literatura da área, que evidencia o ponto do ataque como o efeito mais recorrente e que esse se mostra associado com ataques potentes, levantamentos rápidos (1° e 2° tempo) (Costa et al., 2016a, 2017) e recepções de elevada qualidade (Paulo et al., 2016).

A análise das chances de ocorrerem os efeitos dos ataques feitos pelos atacantes de ponta segundo os procedimentos de jogo convergiu parcialmente com a literatura da área, uma vez que estudos mostraram que recepções que permitem o ataque organizado possibilitam ataques rápidos (1° e 2° tempo) e dificultam a antecipação do bloqueio, possibilitam o ponto de ataque ou a continuidade do jogo (Costa et al., 2017; González‐Silva et al., 2016; Paulo et al., 2017; Stutzig et al., 2015). Além disso, o ataque potente reduz as chances de ocorrer a continuidade do jogo e aumenta as chances de pontuar, como já foi demonstrado em estudos que analisaram o voleibol masculino e feminino (Costa et al., 2014). Entretanto, os resultados discordam parcialmente da literatura, uma vez que os tempos de ataque mais rápidos não aumentaram as chances de ocorrer o ponto do ataque (Costa et al., 2017; Laporta et al., 2015). Provavelmente, essas diferenças estão relacionadas à adaptação dos jogadores a essas situações, já que, no voleibol brasileiro, busca‐se cada vez mais o jogo com velocidade e esse fator não se mostra como diferenciador de desempenho. Nesse contexto, jogar com velocidade é uma premissa do voleibol brasileiro de alto nível.

A análise descritiva, em função do local de finalização, mostrou que os ataques da posição 6 ocorreram, em sua maioria, após a recepção de qualidade excelente, foram feitos com potência na diagonal e culminaram em ponto, embora os ataques da posição 4 tenham sido mais recorrentes. Complementarmente a isso, a análise das chances de ocorrer o ataque segundo o local da finalização mostrou que a recepção excelente aumentou as chances do ataque feito pela posição 6, possibilitou inferir a existência da combinação de ataque denominada de pipe (Silva et al., 2016). Por outro lado, observa‐se que o ponto de ataque, a continuidade do jogo e o bloqueio do ataque aumentaram as chances de ocorrer após o ataque da posição 4, mostraram que houve redução no número de erros em relação aos demais efeitos. Provavelmente, esse fato deve‐se à elevada solicitação do atacante da posição 4 (Silva et al., 2013, 2016), o que promove uma tendência de antecipação do bloqueio para esse atacante e reivindica maior repertório motor para a solução de problemas situacionais.

Conclusão

Os resultados do presente estudo permitiram concluir que a efetividade do ataque a partir das posições 4 e 6 no voleibol masculino brasileiro de alto rendimento está associada à qualidade da recepção e à potência do ataque. Além disso, a análise das chances de ocorrer os efeitos do ataque praticado em função do seu local de feitura sugere que os constrangimentos situacionais, notadamente os procedimentos de jogo analisados, distinguem o ataque segundo o local da finalização. Contudo, o presente estudo apresenta como limitação o fato de não ter analisado a configuração defensiva do adversário, especificamente bloqueio e sistema defensivo adotado, bem como não analisou os ataques que ocorreram após o atacante de ponta ter feito a recepção. Assim, sugere‐se que investigações futuras procurem compreender as diferenças em relação às demais posições, bem como se essas se verificam no voleibol feminino.

Financeiro

O presente trabalho não contou com apoio financeiro.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
Afonso et al., 2010
J. Afonso,I. Mesquita,J. Marcelino,J. Silva
Analysis of the setter's tactical action in high‐performance women's volleyball
Kinesiology, 42 (2010), pp. 82-89
Campos et al., 2014
F.A.D. Campos,L.C.R. Stanganelli,L.C.B. Campos,B.N. Pasquarelli,M.A. Gómez
Performance indicators analysis at Brazilian and Italian women's volleyball leagues according to game location, game outcome, and set number
Percept Motor Skills, 118 (2014), pp. 347-361 http://dx.doi.org/10.2466/30.25.PMS.118k19w4
Costa et al., 2011
G. Costa,N. Ferreira,G. Junqueira,J. Afonso,I. Mesquita
Determinants of attack tactics in youth male elite volleyball
Int J Perform Anal Sport, 11 (2011), pp. 96-104
Costa et al., 2017
G.C. Costa,H.O. Castro,B.F. Evangelista,L.M. Malheiros,P.J. Greco
Ugrinowitsch. Predicting factors of zone 4 attack in volleyball
Percept Motor Skills, 124 (2017), pp. 621-633 http://dx.doi.org/10.1177/0031512517697070
Costa et al., 2014
G.C.T. Costa,J. Afonso,R.V. Barbosa,P. Coutinho,I. Mesquita
Predictors of attack efficacy and attack type in high‐level brazilian women's volleyball
Kinesiology, 46 (2014), pp. 242-248
Costa et al., 2016a
G.C.T. Costa,J.S. Ceccato,A.S. Oliveira,B.F.B. Evangelista,H.O. Castro,H. Ugrinowitsch
Men's hight level volleyball: association between game actions on the side‐out
J Phys Educ, 27 (2016), pp. 1-15
Costa et al., 2016b
G.C.T. Costa,M.P. Maia,J. Capuzzo,B.F.B. Evangelista,A.B. Freire,F.G.S.A. Nora
Offensive structuring in men's high‐level volleyball: analysis of the attack zone
Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, 18 (2016), pp. 611-619
Fleiss, 2003
Jl. Fleiss
Statistical methods for rates and proportions
3rd ed, Wiley‐Interscience, (2003)
García‐Hermoso et al., 2013
A. García-Hermoso,C. Dávila-Romero,J.M. Saavedra
Discriminatory power of game‐related statistics in 14‐15 year age group male volleyball, according to set
Percept Motor Skills, 116 (2013), pp. 132-143 http://dx.doi.org/10.2466/03.30.PMS.116.1.132-143
Gomez et al., 2014
M.A. Gomez,C. Lago-Peñas,J. Viaño,I. González-Garcia
Effects of game location, team quality and final outcome on game‐related statistics in professional handball close games
Kinesiology, 46 (2014), pp. 249-257
González‐Silva et al., 2016
J. González-Silva,A.M. Dominguez,C.F. Echeverria,F.C. Rabaz,M.P.M. Arroyo
Analysis of Setting Efficacy in Young Male and Female Volleyball Players
J. Hum. Kinetics, 53 (2016), pp. 189-200
Laporta et al., 2015
L. Laporta,P. Nikolaidis,L. Thomas,J. Afonso
Attack Coverage in High‐Level Men's Volleyball: Organization on the Edge of Chaos?
J. Hum. Kinetics, 47 (2015), pp. 249-257
Maia et al., 2006
N. Maia,I. Mesquita,feminino. Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no voleibol sênior
Rev Bras Educ Fís Esporte, 20 (2006), pp. 257-270
Marcelino et al., 2014
R. Marcelino,J. Afonso,J.C. Moraes,I. Mesquita
Determinants of attack players in high‐level men's volleyball
Kinesiology, 46 (2014), pp. 234-241
Marcelino et al., 2011
R. Marcelino,I. Mesquita,J. Sampaio
Effects of quality of opposition and match status on technical and tactical performances in elite volleyball
J Sports Sci, 29 (2011), pp. 733-741 http://dx.doi.org/10.1080/02640414.2011.552516
Mesquita et al., 2013
Mesquita I, Palao JM, Marcelino R, Afonso J. Performance analysis in indoor volleyball and beach volleyball. In: McGarry T, O’Donoghue P, Sampaio J, editors. Routledge Handbook of Sports Performance Analysis; 2013. p.367‐79.
Paulo et al., 2017
A. Paulo,K. Davids,D. Araujo
Co‐adaptation of ball reception to the serve constrains outcomes in elite competitive volleyball
Int. J. Sports Sci. Coach, 0 (2017), pp. 1-9
Paulo et al., 2016
A. Paulo,F.T.J.M. Zaal,S. Fonseca,D. Araújo
Predicting Volleyball Serve‐Reception
Front Psychol, 7 (2016), pp. 1694 http://dx.doi.org/10.3389/fpsyg.2016.01694
Peña e Casals, 2016
J. Peña,M. Casals
Game‐Related Performance Factors in four European Men's Professional Volleyball Championships
J. Hum. Kinetics, 53 (2016), pp. 223-230
Peña et al., 2013
J. Peña,J. Rodríguez-Guerra,B. Buscà,N. Serra
Which skills and factors better predict winning and losing in high‐level men's volleyball?
J Strength Cond Res, 27 (2013), pp. 2487-2493 http://dx.doi.org/10.1519/JSC.0b013e31827f4dbe
Silva et al., 2014
M. Silva,D. Lacerda,P.V. João
Match analysis of discrimination skills according to the setter defence zone position in high level volleyball
Int J Perform Anal Sport, 14 (2014), pp. 463-472
Silva et al., 2013
M. Silva,D. Lacerda,P.V. João
Match analysis of discrimination skills according to the setter attack zone position in high level volleyball
Int J Perform Anal Sport, 13 (2013), pp. 452-460
Silva et al., 2016
M. Silva,T. Sattler,D. Lacerda,P.V. João
Match analysis according to the performance of team rotations in volleyball
Int J Perform Anal Sport, 16 (2016), pp. 1076-1086
Stutzig et al., 2015
N. Stutzig,B. Zimmermann,D. Busch,T. Siebert
Analysis of game variables to predict scoring and performance levels in elite men's volleyball
Int J Perform Anal Sport, 15 (2015), pp. 816-829
Tabachnick e Fidell, 2013
B. Tabachnick,L. Fidell
Using multivariate statistics
6th ed, Allyn & Bacon, (2013)
Autor para correspondência. (Gustavo De Conti Teixeira Costa conti02@hotmail.com)