Información de la revista
Vol. 40. Núm. 1.Enero - Marzo 2018
Páginas 1-108
Compartir
Compartir
Descargar PDF
Más opciones de artículo
Visitas
834
Vol. 40. Núm. 1.Enero - Marzo 2018
Páginas 1-108
Artigo original
DOI: 10.1016/j.rbce.2018.01.008
Status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física
Subjective social status in school and in physical education classes
Nivel social subjetivo en el colegio y en las clases de educación física
Visitas
834
Manoella de Oliveira Santos, Diego Grasel Barbosa, Cleber Fernando Rebelatto, Thaís Silva Beltrame, Érico Pereira Gomes Felden
Autor para correspondencia
ericofelden@gmail.com

Autor para correspondência.
Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (Cefid), Programa de Pós‐Graduação em Ciência do Movimento Humano, Florianópolis, SC, Brasil
Este artículo ha recibido
834
Visitas
Información del artículo
Resumen
Texto Completo
Bibliografía
Descargar PDF
Estadísticas
Tablas (3)
Tabela 1. Características da amostra com valores médios e desvio padrão
Tabela 2. Percepção do status social na educação física e percepção do status social na escola com relação aos indicadores sociodemográficos e atividade física da amostra
Tabela 3. Correlação entre as variáveis de qualidade de vida com a percepção do status social na educação física e percepção do status social na escola
Mostrar másMostrar menos
Resumo
Objetivo

Identificar os fatores associados à percepção do status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física em escolares de uma escola de Florianópolis (SC).

Método

A amostra foi composta por 312 estudantes (53,2% meninas), de 10 a 16 anos, do ensino fundamental de uma escola da rede pública municipal de Florianópolis (SC). Foram investigadas questões de qualidade de vida, atividade física, comportamento sedentário, índice de massa corporal (IMC), características sociodemográficas e status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física.

Resultados

A percepção do status social na escola foi superior nas meninas (p = 0,003), enquanto a percepção do status social nas aulas de educação física foi superior nos meninos (p = 0,015). A percepção de status social nas aulas de educação física apresentou correlações negativas com o IMC (r = −0,202; p = 0,001) e tempo sentado durante a semana (r = −0,127; p = 0,026) e correlação positiva com a atividade física (r = 0,372; p < 0,001). Maior escolaridade dos pais indicou maior status social subjetivo dos adolescentes na escola (p ≤ 0,001). Além disso, maior percepção de status social, tanto na escola como nas aulas educação física, apresentou correlações positivas com melhor percepção da qualidade de vida geral (r = 0,264; p < 0,001 e r = 0,222; p < 0,001 respectivamente).

Conclusão

O presente estudo indicou relações importantes do status social subjetivo na educação física com a qualidade de vida, IMC, tempo sentado e atividade física dos adolescentes.

Palavras‐chave:
Desejabilidade social
Educação física e treinamento
Saúde escolar
Adolescentes
Abstract
Objective

The objective of the study was identify factors associated with the subjective social status perception at school and in physical education classes in a school of Florianopolis – SC.

Method

The sample consisted of 312 students, of both sexes, aged 10 to 16 years, regularly enrolled in elementary school 5th to 8th year of a municipal public school of Florianopolis ‐ SC. Were investigated quality of life issues, physical activity, sedentary behavior, body mass index (BMI), sociodemographic characteristics and subjective social status at school and in physical education classes.

Results

The perception of social status at school was higher in girls (p = 0.003), while the perception of social status in physical education classes was higher in boys (p = 0.015). The perception of social status in physical education classes showed negative correlations with BMI (r = −0.202; p = 0.001) and time sitting during the week (r = −0.127; p = 0.026) and positively correlated with physical activity (r = 0.372; p <0.001). Furthermore, higher educational level of parents indicated higher subjective social status of adolescents at school (p≤0,001). Moreover, higher perceived social status, both in school and in physical education classes showed positive correlations with better perception of general quality of life (r = 0.264, p <0.001 and r = 0.222, p <0.001, respectively).

Conclusion

School with lower perceived social status in physical education have higher BMI and lower levels of physical activity and quality of life.

Keywords:
Social desirability
Physical education and training
School health
Adolescent
Resumen
Objetivo

El objetivo de este estudio fue identificar los factores asociados con la percepción del nivel social subjetivo en el colegio y en las clases de educación física en estudiantes de una escuela de Florianópolis, SC.

Método

La muestra estuvo formada por 312 estudiantes (el 53,2% eran niñas), entre 10 y 16 años de educación primaria en una escuela de la red pública municipal de Florianópolis, SC. Se analizó la calidad de vida, la actividad física, el comportamiento sedentario, el índice de masa corporal (IMC), las características sociodemográficas y el nivel social subjetivo en el colegio y en las clases de educación física.

Resultados

La percepción del nivel social en el colegio fue mayor en las mujeres (p = 0,003) mientras que la percepción del nivel social en las clases de educación física fue mayor en los varones (p = 0,015). La percepción del nivel social en clases de educación física mostró una correlación negativa con el índice de masa corporal (r = −0,202; p = 0,001) y el tiempo sentado durante la semana (r = −0,127; p = 0,026) y se correlacionó positivamente con la actividad física (r = 0,372; p <0,001). La educación superior de los padres indicaba mayor nivel social subjetivo de los adolescentes en la escuela (p ≤0,001). Además, mayor percepción del nivel social, en el colegio y en las clases de educación física mostraron correlaciones positivas con una mejor percepción de la calidad de vida en general (r = 0,264; p <0,001 y r = 0,222; p <0,001, respectivamente).

Conclusión

Este estudio mostró relaciones importantes del nivel social subjetivo en la educación física con la calidad de vida, el índice de masa corporal, el tiempo sentado y la actividad física de los adolescentes.

Palabras clave:
Conveniencia social
Educación física y entrenamiento
Salud escolar
Adolescentes
Texto Completo
Introdução

Os indicadores sociais objetivos e subjetivos desempenham importante papel na compreensão da posição social observada e percebida dos sujeitos na sociedade. No entanto, a maior parte dos estudos considera somente os indicadores sociais objetivos, como renda e classe social, em suas análises. Euteneuer (2014) aponta que a percepção do status social subjetivo é considerada uma medida abrangente da posição social em que o sujeito se encontra em determinado ambiente (comunidade, trabalho, escola). Além disso, Hoebel et al. (2013) discorrem que, complementarmente aos indicadores de status social objetivos, o status social subjetivo oferece um potencial adicional para descrever e explicar desigualdades na saúde.

O status social subjetivo tem sido definido como o senso de colocação social que o sujeito tem de si dentro de uma hierarquia (Adler & Stewart, 2008). Essa subjetividade é pouco explorada pelas medidas convencionais de status socioeconômico, que no caso dos adolescentes baseiam‐se na posse de bens dos pais ou pela descrição do nível de escolaridade dos próprios adolescentes. Karvonen e Rahkonen (2011) ressaltam que essas medidas podem não refletir adequadamente as diferenças sociais emergentes na adolescência, pois incluem medidas de posições que não se concretizaram ainda plenamente, tal como o nível de escolaridade. No entanto, vale ressaltar que tanto o status social subjetivo quanto o status social objetivo são importantes para o desenvolvimento humano.

Evidências apontam que sujeitos que se consideram com status social subjetivo alto apresentam menores riscos para o desenvolvimento de doenças cardíacas (Subramanyam et al., 2012), menor incidência de sintomas depressivos (Destin et al., 2012) e menores taxas de hipertensão (Adler et al., 2008) e diabetes (Demakakos et al., 2008) quando comparados com os sujeitos com status social subjetivo mais baixo. Além disso, pesquisas apontam que sujeitos que se percebem com baixo status social subjetivo exibem piores condições de saúde (Hu et al., 2005; Franzini & Fernandez‐Esquer, 2006; Demakakos et al., 2008). Com relação a uma possível ligação entre status social subjetivo e estresse, Derry et al. (2013) apontaram que os sujeitos com menor status social são mais responsíveis às cargas estressoras de ordens fisiológicas e psicológicas.

Na adolescência, a percepção do status social subjetivo pode ser especialmente importante quando relacionada a questões de sobrepeso e obesidade (Goodman et al., 2001). Em estudo de Lemershow et al. (2008) foi possível identificar que a baixa percepção do status social na escola previu um aumento de 1,69 vez mais chance de adolescentes do sexo feminino adquirirem quantidade excessiva de adiposidade. Spence et al. (2012) identificaram diferenças significativas entre os escores da percepção do status social subjetivo na escola entre adolescentes com peso normal e excesso de peso, aqueles sujeitos com excesso de peso apresentaram os escores mais baixos.

Além dessas questões, o status social subjetivo pode ser relacionado com outras variáveis importantes. Hoebel et al. (2013) investigaram a relação entre qualidade de vida e status social subjetivo em 2.827 alemães adultos e identificaram que baixos escores de percepção de saúde e altos escores de comprometimentos do bem‐estar, devido a dores corporais, depressão e solidão, associaram‐se com baixo status social subjetivo tanto nos homens como nas mulheres. A literatura indica também que a percepção do status social subjetivo, especialmente de adolescentes, pode apresentar diferenças nas questões sociodemográficas, como sexo (Goodman et al., 2005), idade (Goodman et al., 2007), etnia (Goodman et al., 2003) e escolaridade dos pais (Goodman et al., 2005).

Particularmente em contextos de crescente heterogeneidade étnica e socioeconômica no interior da escola, a relevância da relação do privilégio ou privação pode ser aumentada e perpetuar padrões sistêmicos de disparidades entre os alunos. Essas disparidades podem ser reforçadas pelas diferenças dos níveis de habilidades e competências esportivas entre os alunos, que podem influenciar na posição hierárquica em que se percebem nas aulas de educação física. Nesse caso, a baixa percepção de status social nessa disciplina pode estar relacionada à baixa participação nas aulas, que por sua vez diminui as oportunidades de atividades e exercícios físicos e apresenta repercussões negativas na qualidade de vida na adolescência (Valois et al., 2004). Além disso, a baixa participação nas aulas de educação física e o baixo rendimento nos esportes estão associados à inatividade física na idade adulta (Tammelin et al., 2003).

Devido à importância de se investigar o status social subjetivo do adolescente, além de se investigar o status social na escola, no presente estudo também foi investigada a percepção do status social subjetivo na educação física, a fim de buscar relações entre o status social subjetivo nessa disciplina e questões sociodemográficas, status de peso, atividade física e qualidade de vida. Tanto quanto se sabe, este é o primeiro estudo nacional a investigar os fatores associados sobre o status social subjetivo especificamente na educação física, em amostra de adolescentes do país.

Diante disto, o presente estudo tem como objetivo identificar os fatores associados à percepção do status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física de adolescentes de Florianópolis (SC).

Método

A amostra foi composta por 312 estudantes adolescentes (53,2% meninas), entre 10 e 16 anos, regularmente matriculadas no ensino fundamental de 5° ao 8° ano de uma escola da rede pública municipal de Florianópolis (SC). Foi entregue aos adolescentes o termo de consentimento livre e esclarecido, que foi assinado pelos pais ou responsáveis. Além do termo de consentimento assinado pelos pais ou responsáveis, os estudantes assinaram o termo de assentimento no qual declararam estar cientes de que tinham interesse em participar da pesquisa e compreenderam as atividades que seriam feitas.

Foram avaliadas as seguintes questões: a) status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física; b) qualidade de vida; c) atividade física e comportamento sedentário; d) status de peso e e) características sociodemográficas. Os protocolos de análise considerando os blocos de variáveis citados foram:

Status social subjetivo na escola e na educação física

Com o intuito de avaliar a autopercepção de status dos adolescentes frente aos aspectos de status social subjetivo na escola e na educação física, o presente estudo usou o instrumento Escala MacArthur de Status Social Subjetivo: versão para jovens (Goodman et al., 2001). Essa escala tem sido usada em estudos epidemiológicos recentes (Spence et al., 2012; Sweeting & Hunt, 2014; Subramanyam et al., 2012).

Essa escala é composta pela imagem de uma “escada social”, conforme ilustrado na figura 1, é uma forma de retratar o ambiente escolar. O enunciado apresentado aos sujeitos foi: “No topo da escada (parte de cima) estão os alunos com o maior respeito, com posição social mais elevada, que tiram as notas mais altas, são bons no esporte e são mais populares. No fundo (parte de baixo) estão as pessoas que poucos respeitam, poucos querem tê‐los no time e que geralmente têm mais dificuldade para aprender os conteúdos.” Esse enunciado foi apresentado complementarmente a duas escadas. Nesse sentido, os alunos foram orientados a responder em uma escada, considerar o contexto da escola, e na outra escada considerar o contexto das aulas de educação física. Em cada escada o sujeito marcou um “X” no degrau em que percebia se encontrar. Para verificar a pontuação, foi marcado “1” se houvesse um “X” no degrau mais baixo ou no espaço acima dele; “2” para o próximo degrau ou no espaço acima e assim por diante, até o último degrau, equivalente a “10”. Quanto mais alta a posição marcada na escada, maior a percepção do status social do indivíduo.

Figura 1.
(0,08MB).

Escala MacArthur de Status Social Subjetivo: versão para jovens” (Goodman et al., 2001).

Além disso, para o presente estudo foi usada a escada de status social subjetivo para os professores indicarem qual posição social em que seus alunos se encontravam especificamente na educação física.

Qualidade de vida

A qualidade de vida foi verificada por meio do PedsQL 4.0, um questionário genérico de avaliação da qualidade de vida, desenvolvido na língua inglesa por Varni et al. (2001). O questionário apresenta três versões para crianças de acordo com o nível cognitivo: cinco a sete anos, oito a 12 anos e de 13 a 18 anos. A versão do instrumento, a partir de oito anos, tem 23 itens, divididos em quatro domínios: físico, emocional, social e escolar. Cada item tem cinco opções de resposta numa escala Likert (nunca = 0 a quase sempre = 4). Esses valores são operacionalizados posteriormente, transformados numa escala linear inversa de 0 a 100, no qual a maior pontuação representa melhor estado de qualidade de vida. O questionário tem pontuação total e pontuação por dimensões, feita a partir da média das pontuações dos itens correspondentes. Neste estudo foi usada apenas a versão do questionário a ser respondido pelas crianças e adolescentes, visto que a literatura aponta que a adesão dos pais nesse tipo de procedimento é pequena.

Atividade física e comportamento sedentário

A atividade física foi verificada por meio do questionário proposto por Florindo et al. (2006). Esse questionário é composto por 15 questões que abrangem exercícios físicos praticados nos últimos 12 meses. Tal instrumento tem bons atributos, pois foi desenvolvido e validado especificamente para adolescentes brasileiros, já que a maioria das ferramentas disponíveis para uso no Brasil é validação de instrumentos internacionais, que em alguns casos não se adaptam à realidade brasileira. O uso desse questionário possibilita a avaliação de quais exercício ou modalidades esportivas foram praticadas, a frequência semanal (dias por semana), a duração por sessão (horas expressas em minutos por dia), a quantidade de meses por ano e em que turno praticaram as atividades físicas, os exercícios físicos ou esportes, fora do período de aula escolar. Foram considerados como insuficientemente ativos os adolescentes com duração de atividade física semanal inferior a 300 minutos (Florindo et al., 2006). O comportamento sedentário foi verificado por meio das questões “Quanto tempo você permanece sentado durante um dia normal de semana?” e “Quanto tempo você permanece sentado durante um dia do fim de semana?”

Status de peso

As variáveis antropométricas para verificar o status de peso foram massa e estatura conforme as técnicas de Alvarez e Pavan (2003). A massa, em kg, foi mensurada pela balança digital de marca Tânita, com escala de 100 gramas. O avaliado permaneceu na posição ortostática (de pé, com o corpo ereto), com o peso dividido em ambos os pés, manteve a cabeça de acordo com o plano de Frankfourt, ombros descontraídos e braços soltos lateralmente. A estatura, em metros, foi mensurada por meio do estadiômetro vertical da marca Sanny, com 2 m e resolução de 0,1cm. O avaliado permaneceu na posição ortostática, a parte superior das costas tocava o estadiômetro, cabeça de acordo com o plano de Frankfourt, ombros descontraídos e braços soltos lateralmente. Além disso, o avaliado inspirou profundamente antes da mensuração de estatura. Essa técnica tem como objetivo diminuir o efeito da compressão gravitacional diária. Após esses procedimentos foi calculado o IMC. A partir do cálculo do IMC os adolescentes foram classificados em relação ao status de peso como eutróficos (baixo peso e eutróficos) e com excesso de peso (sobrepeso e obesos), de acordo com as classificações de Cole et al. (2007). Foram considerados como eutróficos os adolescentes com IMC até 24,9kg/m2 e com excesso de peso adolescentes com IMC ≥ 25kg/m2.

Características sociodemográficas

Os adolescentes responderam a um questionário de caracterização sociodemográfica em que indicaram a classe social à qual pertenciam e a escolaridade dos pais. A determinação das classes sociais foi feita por meio do Critério de Classificação Econômica Brasil 2015, de acordo com as recomendações propostas pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (2014). Essa análise considera a posse de bens móveis, ter serviços públicos na sua residência e o grau de escolaridade do chefe da família, distribui as famílias nas classes A1, A2, B1, B2, C, D e E. Para um melhor agrupamento os dados foram subdivididos em classe alta (A1, A2), classe média (B1, B2, C) e classe baixa (D, E).

Análise estatística

O programa estatístico usado para a análise dos dados foi o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) for Windows versão 20.0. A normalidade da distribuição dos dados foi analisada por meio do teste de Kolmogorov‐Smirnov. Verificou‐se que as variáveis não apresentaram normalidade na distribuição dos dados e, devido a isso, recorreram‐se a análises não paramétricas. A análise de diferença entre as médias foi feita por meio do teste de Kruskal‐Wallis com post‐hoc de Dunn. A associação entre as variáveis foi verificada por meio do qui‐quadrado. Para as análises de correlação foi usado teste de correlação de Spearman. Para todas as análises foi considerado um nível de significância de 5%.

Resultados

A amostra foi composta por adolescentes com média de 12,26 (1,34) anos, não foram observadas diferenças significativas de idade entre meninos e meninas (p = 0,104). Os adolescentes apresentaram pontuação média de status de peso igual a 19,76 (4,04). Em relação às questões dirigidas à qualidade de vida, foi encontrada diferença significativa em relação ao item escola (p = 0,023). O total de atividade física durante a semana apresentou média de 476,37 (579,44) minutos, foi significativamente diferente entre meninos e meninas (p < 0,001). Quanto ao tempo sentado durante a semana, a média total foi de 6,38 (4,46) horas por dia, não foi observada diferença entre os sexos (p = 0,653). Em relação à percepção do status social tanto na escola quanto nas aulas de educação física, foi observada diferença significativa entre meninos e meninas (p = 0,003), (p = 0,015) respectivamente (tabela 1).

Tabela 1.

Características da amostra com valores médios e desvio padrão

Variáveis  Total*  Masculino*  Feminino*  p‐valor 
Idade, anos  12,26 (1,34)  12,40 (1,40)  12,13 (1,29)  0,104 
Faixa etária, %
10 a 12 anos  180 (57,9%)  80 (54,8%)  100 (60,6%)  0,300 
13 a 16 anos  131 (42,1%)  66 (45,2%)  65 (39,4%)   
IMC (kg/m2)  19,76 (4,04)  19,78 (4,35)  19,75 (3,75)  0,516 
Status de peso, %
Eutrófico  190 (64%)  92 (65,7%)  98 (62,4%)  0,555 
Excesso de peso  107 (36%)  48 (34,3%)  59 (37,6%)   
Qualidade de vida, pontos
Saúde e atividade  81,28 (16,11)  80,15 (18,29)  82,28 (13,86)  0,648 
Sentimentos  68,60 (17,7)  69,71 (16,22)  67,62 (18,90)  0,440 
Convívio com outras pessoas  86,83 (15,4)  87,23 (14,33)  86,47 (16,42)  0,645 
Escola  68,02 (18,10)  65,41 (18,86)  70,33 (17,12)  0,023** 
Geral  77,23 (11,94)  76,78 (11,84)  77,62 (12,05)  0,480 
Classe socioeconômica, %
Baixa  129 (44,0%)  54 (39,1%)  75 (48,4%)   
Média  112 (38,2%)  60 (43,5%)  52 (33,5%)  0,190 
Alta  52 (17,7%)  24 (17,4%)  28 (18,1%)   
Escolaridade do pai, %
< 8 anos  232 (74,4%)  110 (75,3%)  122 (73,5%)  0,709 
≥ 8 anos  80 (25,6%)  36 (24,7%)  44 (53,2%)   
Escolaridade da mãe, %
< 8 anos  206 (66%)  97 (66,4%)  109 (65,7%)  0,885 
≥ 8 anos  106 (34%)  49 (33,6%)  57 (53,8%)   
Total ativ fís (semana), min  476,37 (579,44)  626,12 (672,398)  344,67 (445,22)  <0,001** 
Tempo sentado (semana), horas  6,38 (4,46)  5,36 (4,44)  4,99 (4,30)  0,653 
Percepção social escola, pontos  7,26 (1,89)  6,91 (2,06)  7,56 (1,70)  0,003** 
Percepção social na ed. fis. Pontos  7,54 (2,22)  7,85 (2,13)  7,28 (2,26)  0,015** 
*

Valores expressos em média (desvio‐padrão) ou frequência relativa.

**

Diferença significativa entre as frequências relativas (p < 0,05).

Na figura 2, observou‐se correlação negativa significativa (r = −0,202; p = 0,001) entre status de peso e percepção do status social nas aulas de educação física. Essa análise indicou que à medida que aumenta o status de peso a percepção do status social na educação física diminui. No entanto, quando comparado o status de peso com o status social na escola, não foi encontrada correlação significativa entre as variáveis (r = −0,102; p = 0,080).

Figura 2.
(0,05MB).

Correlação entre a percepção de status social na educação física e o IMC.

Observou‐se correlação negativa significativa (r = −0,127; p = 0,026) entre tempo sentado durante a semana e percepção do status social nas aulas de educação física, ou seja, quanto maior o tempo sentado durante a semana, menor a percepção do status social nas aulas de educação física. Em relação ao tempo total de atividade física observou‐se correlação positiva significativa entre as variáveis (r = 0,372; p < 0,001), em que quanto maior a prática de atividade física maior a percepção do status social nas aulas de educação física (fig. 3). Quando comparado o status social na escola com tempo sentado durante a semana e com o tempo total de atividade física, não foram encontradas correlações significativas (r = 0,008; p = 0,891), (r = 0,073; p = 0,200) respectivamente.

Figura 3.
(0,1MB).

Correlação entre a percepção de status social na educação física com tempo sentado durante a semana de atividade física.

Quando comparadas as médias do status social subjetivo na educação física e na escola, observamos algumas diferenças significativas relacionadas a indicadores sociodemográficos. A variável sexo apresentou diferença significativa tanto no status social subjetivo na educação física (p = 0,015) quanto na escola (p = 0,003), a percepção do status foi maior para os meninos nas aulas de educação física e maior para as meninas na escola. A escolaridade do pai (p < 0,001) e da mãe (p = 0,001) apresentou‐se como indicadores significantes para o status social subjetivo na escola, a percepção de status social na escola mais elevado esteve relacionada com a escolaridade dos pais maior ou igual a oito anos. Além disso, a percepção do status social na educação física apresentou diferença significativa entre os adolescentes ativos e insuficientemente ativos fisicamente (p < 0,001) (tabela 2).

Tabela 2.

Percepção do status social na educação física e percepção do status social na escola com relação aos indicadores sociodemográficos e atividade física da amostra

Variáveis  Percepção status social ed. fis.x¯ (dp)  p‐valor  Percepção status social na escola x¯ (dp)  p‐valor 
Sexo
Masculino  7,85 (2,13)  0,015  6,91 (2,06)  0,003 
Feminino  7,28 (2,26)    7,56 (1,70)   
Escolaridade da mãe
< 8 anos  7,72 (2,10)    7,04 (1,84)  0,001 
≥ 8anos  7,20 (2,40)  0,083  7,68 (1,93)   
Escolaridade do pai
< 8 anos  7,60 (2,19)  0,457  7,02 (1,90)  < 0,001 
≥ 8anos  7,38 (2,30)    7,96 (1,71)   
Nível socioeconômico
Alto  7,43 (2,17)  0,777  7,37 (1,99)  0,058 
Médio  7,68 (2,13)    7,56 (1,75)   
Baixo  7,56 (2,22)    6,97 (2,00)   
Atividade física
Insuficientemente ativo  6,79 (2,43)  < 0,001  7,19 (1,84)  0,405 
Ativo  8,31 (1,65)    7,33 (1,65)   

As variáveis contínuas foram expressas em média (desvio‐padrão) (x¯ [dp]).

Observaram‐se correlações positivas em relação a todas as variáveis da qualidade de vida quando comparadas com o status social na escola e nas aulas de educação física, com exceção da variável “sentimentos”, que não apresentou diferença significativa em ambos (p = 0,181; p = 0,830) (tabela 3).

Tabela 3.

Correlação entre as variáveis de qualidade de vida com a percepção do status social na educação física e percepção do status social na escola

Qualidade de vidaStatus social
Educação físicaEscola
p‐valor  p‐valor 
Saúde e atividade  0,256  < 0,001  0,162  0,005 
Sentimentos  0,077  0,181  0,012  0,830 
Convívio com outras pessoas  0,212  < 0,001  0,193  0,001 
Escola  0,158  0,006  0,466  < 0,001 
Geral  0,222  < 0,001  0,264  < 0,001 

p‐valor do teste de correlação de Sperman.

Discussão

O objetivo do presente estudo foi identificar os fatores associados à percepção do status social subjetivo na escola e nas aulas de educação física de adolescentes de Florianópolis (SC). Uma das medidas usadas para verificar o status social subjetivo é a escala MacArthur para jovens. É composta na sua forma original por duas escadas: uma relacionada ao lugar em que o adolescente se percebe na escola e outra na sociedade (Goodman et al., 2001). Para o presente estudo foi mantida a escada relacionada à escola e adotada uma segunda escada relacionada especificamente às aulas de educação física. Desse modo, além de os adolescentes indicarem a posição social em que se percebem na escola, apontaram a posição social em que se percebem nas aulas de educação física.

Há na literatura vários estudos que relacionaram excesso de peso e obesidade à baixa percepção do status social na escola em adolescentes (Goodman et al., 2003; Lemeshow et al., 2008; Quon & Mcgrath, 2014). Em estudo de Weintraub et al. (2015), por exemplo, no qual objetivaram analisar as múltiplas dimensões da posição social em relação aos comportamentos relacionados à obesidade de adolescentes, foi verificado que os adolescentes que abandonaram a escola e com menor posição social percebida dentro da sua comunidade foram mais propensos a estar em risco para comportamentos relacionados à obesidade do que aqueles com posição social percebida mais alta. Porém, tal relação especificamente com a disciplina de educação física ainda não foi investigada.

Os resultados das correlações do presente estudo apontaram que quanto menor a percepção no status social na educação física, maior o IMC, maior a quantidade de tempo sentado e menor o nível de atividade física dos adolescentes. Supõe‐se que essa tendência ocorreu em virtude de que adolescentes com sobrepeso e/ou obesidade têm pior desempenho atlético (Bovet et al., 2007), sofrem mais bullying (Janssen et al., 2004) e apresentam mais sentimentos de inferioridade mental e física (Halfon et al., 2013) em relação aos colegas com peso normal. No entanto, essas mesmas variáveis não apresentaram correlação significativa com o status social na escola.

Não foram encontradas correlações das variáveis de IMC, tempo sentado e atividade física com status social subjetivo na escola, por elas apresentarem maior identidade e aproximação com a disciplina de educação física. Isso remete à importância dessa disciplina e do correto direcionamento da prática pedagógica para a mudança de comportamentos negativos relacionados à atividade física e tempo sentado dos adolescentes inseridos no ambiente escolar (Countinho et al., 2013). Consoante a isso, fazem‐se necessárias a elaboração e a execução de projetos dentro dessa disciplina que aumentem o conhecimento dos adolescentes acerca dos prejuízos relacionados à falta de atividade física e ao aumento do tempo sentado (Spohr et al., 2014), assim como propõem Copetti et al. (2014) sobre o uso de abordagem interdisciplinar entre as disciplinas de ciências e educação física, para que essas sejam idealizadoras de atividades que englobem saúde e doença como conteúdo escolar.

No presente estudo a atividade física apresentou correlação importante com o status social subjetivo na educação física. Em estudo de Frerichs et al. (2014), no qual objetivaram investigar relações entre o status social subjetivo, status de peso e atividade física de quatro países da Ásia (Coreia do Sul, Japão, Taiwan e China), identificaram que índices elevados do status social subjetivo associaram‐se significativamente com índices mais elevados de atividade física diária ou semanal nos quatro países investigados, com exceção dos sujeitos do sexo feminino da Coreia do Sul e do Japão. Ao passo que Ghaed e Gallo (2007) identificaram que menores escores do status social subjetivos estiveram associados com comportamentos menos saudáveis de alimentação e exercícios físicos em 92 mulheres americanas com risco cardiovascular. Os resultados do presente estudo, em que adolescentes mais ativos fisicamente apresentaram maior status subjetivo na educação física, corroboram os estudos discutidos acima.

Além das correlações com atividade física, comportamento sedentário e IMC, o presente estudo apresentou correlação significativa entre qualidade de vida e o status social subjetivo na escola e educação física. Choi et al. (2015), ao investigar associações entre percepção de qualidade de vida e status social objetivo e subjetivo de 12.250 adultos da Coreia do Sul, encontraram que aquelas pessoas com classe social e status social subjetivos mais elevados tinham melhores percepções de qualidade de vida. De modo semelhante, estudo feito na Alemanha por Hoebel et al. (2013) com 2.827 adultos encontrou associação entre percepção do status social e qualidade de vida, indivíduos com pior percepção do status social subjetivo apresentaram pior qualidade de vida. No presente estudo, apesar de a amostra não ser composta por adultos, os resultados encontrados foram semelhantes, maior percepção de status social tanto na escola como nas aulas de educação física foi correlacionada com a melhor percepção de qualidade de vida dos adolescentes.

Em relação às diferenças entre os sexos para a percepção do status social na escola e nas aulas de educação física, o presente estudo verificou que a pontuação média da percepção do status social na escola foi significativamente maior nas meninas quando comparadas com os meninos (p = 0,003). Já com relação à pontuação média da percepção do status social na educação física, essa foi maior entre os meninos (p < 0,001). A diferença de pontuação média do status social subjetivo na escola pode ser entendida pelo fato de que as meninas geralmente, além de apresentar níveis mais elevados de envolvimento na escola, são classificadas com melhor desempenho acadêmico do que os meninos de mesma faixa etária (Lam et al., 2012). Entretanto, na educação física os meninos se perceberam mais bem posicionados socialmente. Uma das justificativas que dão apoio a esse achado está relacionada ao declínio da atividade física recorrente no início da adolescência nas meninas (Dumith et al., 2011). Esse declínio precoce tende a despertar menor percepção de respeito e popularidade pelas mesmas nas aulas de educação física.

Em estudo de Severino et al. (2015), no qual tiveram como objetivo abordar a participação feminina nas aulas de educação física, com enfoque no basquetebol, percebeu‐se pelo relato de 60 docentes que a educação física escolar no município de Volta Redonda (RJ) apresentou características com predominância masculina. Os autores sugerem que essa predominância possa ter ocorrido pelo fato de que o esporte é visto invariavelmente como uma prática dominada pelos homens, mesmo considerando o avanço significativo das mulheres nesse cenário. Além disso, destaca‐se que a separação entre meninos e meninas nas aulas de educação física ocorra principalmente pelo discurso de que as meninas apresentam o paradigma de inferioridade esportiva (Bassani et al., 2003).

De acordo com Fotrousi et al. (2012), as diferenças relacionadas aos sexos tomam forma, além dos ambientes sociais e físicos, em determinadas situações criadas no decorrer das aulas de educação física. Sweeting et al. (2011), ao investigar as diferenças do status social subjetivo de 3.194 meninos e meninas com 15 anos, nos aspectos de popularidade, desempenho escolar, poder de persuasão, conflitos na escola, atratividade, respeito e esportividade, identificaram que os meninos apresentaram os maiores valores em todos os aspectos quando comparados com as meninas. A maior diferença foi com relação à esportividade, em que os meninos apresentaram pontuação média de 7,0 (2,6) pontos contra 4,9 (2,7) pontos das meninas (p < 0,001). Sabendo‐se que no presente estudo houve maior percepção do status social na educação física dos rapazes comparados com as moças, os professores devem incentivar práticas de educação para a saúde e comportamentos mais ativos para as moças. Para isso, é necessária avaliação diagnóstica para o planejamento de atividades em que as moças apresentem maior identidade e interesse.

Além disso, em ambos os sexos a escolaridade dos pais apresentou relação com o status social na escola, os adolescentes com maiores pontuações de status social na escola foram aqueles em que o pai (p =< 0,001) e a mãe (p = 0,001) apresentavam maior escolaridade. Isso pode ser devido ao maior incentivo e envolvimento com os estudos por parte dos pais com maior escolaridade. Em estudo de Hill et al. (2004), os autores verificaram que pais com maior escolaridade estavam relacionados a menos problemas comportamentais e melhores desempenhos de seus filhos na escola. Um ambiente com pais mais escolarizados, portanto, tende a aumentar não só indicadores objetivos como no estudo citado, mas também na percepção do próprio adolescente acerca do seu status social.

Os resultados do presente estudo reforçam a importância da verificação do status social subjetivo pelo professor de educação física, para o direcionamento e planejamento individual de alunos com baixa percepção de status social nessa disciplina. Nesse ínterim, os professores têm autonomia para incentivar maiores níveis de atividade física, menor quantidade de tempo sentado, assim como atividades que promovam a qualidade de vida, como atividades dirigidas à convivência e cooperação e atividades voltadas para a educação para a saúde.

Aponta‐se como principal limitação do presente estudo o delineamento de corte transversal, em que não foi possível estabelecer relações de causa e efeito entre as variáveis investigadas. Além disso, o uso de questionário ao invés de acelerômetro para avaliar a atividade física e o tempo sentado também é considerado como limitação do estudo.

Considerações finais

O presente estudo indicou relações importantes do status social subjetivo na educação física com a qualidade de vida, IMC, tempo sentado e atividade física dos adolescentes. Desse modo, supõe‐se que adolescentes com status social subjetivo na educação física mais elevados são aqueles que praticam mais atividade física, apresentam melhor qualidade de vida, menor IMC e menor tempo sentado.

Sugerem‐se mais estudos com amostras representativas que investiguem com maior profundidade as relações do status social subjetivo na educação física em crianças e adolescentes. Ademais, estudos posteriores com essa temática podem aplicar complementarmente o status subjetivo social percebido pelo professor, a fim de comparar com o status social subjetivo percebido pelos alunos tanto na escola como nas aulas de educação física.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[Adler et al., 2008]
N. Adler,A. Singh-Manoux,J. Schwartz,J. Stewart,K. Matthews,M.G. Marmot
Social status and health: a comparison of British civil servants in Whitehall‐II with European‐and African‐Americans in CARDIA
Soc Sci Med, 66 (2008), pp. 1034-1045 http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2007.11.031
[Alvarez e Pavan, 2003]
Alvarez BR, Pavan AL. Alturas e comprimentos. In: Petroski EL. Antropometria: técnicas e padronizações. 2ed. Porto Alegre 2003:59‐71.
[Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, 2014]
Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil [Internet]. São Paulo: ABEP; 2014. Disponível em: www.abep.org. Acessado em 10 de dezembro de 2015.
[Bassani et al., 2003]
J.J. Bassani,D. Torri,A.F. Vaz
Sobre a presença do esporte na escola: paradoxos e ambiguidades
Movimento, 9 (2003), pp. 89
[Bovet et al., 2007]
P. Bovet,R. Auguste,H. Burdette
Strong inverse association between physical fitness and overweight in adolescents: a large school‐based survey
Int J Behav Nutr Phys Act, 4 (2007), pp. 24 http://dx.doi.org/10.1186/1479-5868-4-24
[Choi et al., 2015]
Y. Choi,J.-H. Kim,E.C. Park
The effect of subjective and objective social class on health‐related quality of life: new paradigm using longitudinal analysis
Health Qual Life Outcomes, 13 (2015), pp. 121 http://dx.doi.org/10.1186/s12955-015-0319-0
[Cole et al., 2007]
T.J. Cole,K.M. Flegal,D. Nicholls,A.A. Jackson
Body mass index cut offs to define thinness in children and adolescents: international survey
[Copetti et al., 2014]
J. Copetti,R.G. Soares,S. Lara,K.G. Lanes,R.L. Puntel,V. Folmer
Conhecimento de adolescentes sobre saúde e fatores de risco para doenças e agravos não transmissíveis: sugestão de abordagem interdisciplinar
Rev Cienc Ideias, 4 (2014), pp. 123-142
[Coutinho et al., 2013]
R.X. Coutinho,W.M.D. Santos,V. Folmer,R.L. Puntel
Risk behaviors prevalence in adolescents
Cad Saude Colet, 21 (2013), pp. 441-449
[Demakakos et al., 2008]
P. Demakakos,J. Nazroo,E. Breeze,M. Marmot
Socioeconomic status and health: the role of subjective social status
[Derry et al., 2013]
H.M. Derry,C.P. Fagundes,R. Andridge,R. Glaser,W.B. Malarkey,J.K. Kiecolt-Glaser
Lower subjective social status exaggerates interleukin‐6 responses to a laboratory stressor
Psychoneuroendocrinology, 38 (2013), pp. 2676-2685 http://dx.doi.org/10.1016/j.psyneuen.2013.06.026
[Destin et al., 2012]
M. Destin,S. Richman,F. Varner,J. Mandara
’‘Feeling‘’ hierarchy: The pathway from subjective social status to achievement
[Dumith et al., 2011]
S.C. Dumith,D.P. Gigante,M.R. Domingues,H.W. Kohl
Physical activity change during adolescence: a systematic review and a pooled analysis
Int J Epidemiol, 40 (2011), pp. 685-698 http://dx.doi.org/10.1093/ije/dyq272
[Euteneuer, 2014]
F. Euteneuer
Subjective social status and health
Curr Opin Psychiatry, 27 (2014), pp. 337-343 http://dx.doi.org/10.1097/YCO.0000000000000083
[Florindo et al., 2006]
A.A. Florindo,A. Romero,S.V. Peres,M.V.D. Silva,B. Slater
Development and validation of a physical activity assessment questionnaire for adolescents
Rev Saúde Pública, 40 (2006), pp. 802-809
[Fotrousi et al., 2012]
F. Fotrousi,J. Bagherly,A. Ghasemi
The compensatory impact of mini‐basketball skills on the progress of fundamental movements in children
Procedia Soc Behav Sci, 46 (2012), pp. 5206-5210
[Franzini e Fernandez‐Esquer, 2006]
L. Franzini,M.E. Fernandez-Esquer
The association of subjective social status and health in low‐income Mexican‐origin individuals in Texas
[Frerichs et al., 2014]
L. Frerichs,T.T.K. Huang,D.R. Chen
Associations of subjective social status with physical activity and body mass index across four Asian countries
J Obes, (2014), pp. 2014
[Ghaed e Gallo, 2007]
S.G. Ghaed,L.C. Gallo
Subjective social status, objective socioeconomic status, and cardiovascular risk in women
Health Psychol, 26 (2007), pp. 668 http://dx.doi.org/10.1037/0278-6133.26.6.668
[Goodman et al., 2001]
E. Goodman,N.E. Adler,I. Kawachi,A.L. Frazier,B. Huang,G.A. Colditz
Adolescents’ perceptions of social status: development and evaluation of a new indicator
Pediatrics, 108 (2001), pp. 31
[Goodman et al., 2003]
E. Goodman,N.E. Adler,S.R. Daniels,J.A. Morrison,G.B. Slap,L.M. Dolan
Impact of objective and subjective social status on obesity in a biracial cohort of adolescents
Obes Res, 11 (2003), pp. 1018-1026 http://dx.doi.org/10.1038/oby.2003.140
[Goodman et al., 2005]
E. Goodman,B.S. McEwen,L.M. Dolan,T. Schafer-Kalkhoff,N.E. Adler
Social disadvantage and adolescent stress
J Adolesc Health, 37 (2005), pp. 484-492 http://dx.doi.org/10.1016/j.jadohealth.2004.11.126
[Goodman et al., 2007]
E. Goodman,B. Huang,T. Schafer-Kalkhoff,N.E. Adler
Perceived socioeconomic status: A new type of identity that influences adolescents’ self‐rated health
J Adolesc Health, 41 (2007), pp. 479-487 http://dx.doi.org/10.1016/j.jadohealth.2007.05.020
[Halfon et al., 2013]
N. Halfon,K. Larson,W. Slusser
Associations between obesity and comorbid mental health, developmental, and physical health conditions in a nationally representative sample of US children aged 10 to 17
Acad Pediatr, 13 (2013), pp. 6-13 http://dx.doi.org/10.1016/j.acap.2012.10.007
[Hill et al., 2004]
N.E. Hill
Parent academic involvement as related to school behavior, achievement, and aspirations: Demographic variations across adolescence
[Hoebel et al., 2013]
J. Hoebel,B. Kuntz,S. Müters,T. Lampert
Subjective social status and health‐related quality of life among adults in Germany. Results from the German General Social Survey (ALLBUS 2010)
Gesundheitswesen, 75 (2013), pp. 643-651 http://dx.doi.org/10.1055/s-0032-1333211
[Hu et al., 2005]
P. Hu,N.E. Adler,N. Goldman,M. Weinstein,T.E. Seeman
Relationship between subjective social status and measures of health in older Taiwanese persons
J Am Geriatr Soc, 53 (2005), pp. 483-488 http://dx.doi.org/10.1111/j.1532-5415.2005.53169.x
[Janssen et al., 2004]
I. Janssen,W.M. Craig,W.F. Boyce,W. Pickett
Associations between overweight and obesity with bullying behaviors in school‐aged children
Pediatrics, 113 (2004), pp. 1187-1194
[Karvonen e Rahkonen, 2011]
S. Karvonen,O. Rahkonen
Subjective social status and health in young people
Sociol Health Illn, 33 (2011), pp. 372-383 http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-9566.2010.01285.x
[Lam et al., 2012]
S.F. Lam,S. Jimerson,E. Kikas,C. Cefai,F.H. Veiga,B. Nelson
Do girls and boys perceive themselves as equally engaged in school? The results of an international study from 12 countries
J Sch Psychol, 50 (2012), pp. 77-94 http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2011.07.004
[Lemeshow et al., 2008]
A.R. Lemeshow,L. Fisher,E. Goodman,I. Kawachi,C.S. Berkey,G.A. Colditz
Subjective social status in the school and change in adiposity in female adolescents: findings from a prospective cohort study
Arch Pediatr Adolesc Med, 162 (2008), pp. 23-28 http://dx.doi.org/10.1001/archpediatrics.2007.11
[Quon e Mcgrath, 2014]
E.C. Quon,J.J. Mcgrath
Subjective socioeconomic status and adolescent health: A meta‐analysis
Health Psychol, 33 (2014), pp. 433 http://dx.doi.org/10.1037/a0033716
[Severino et al., 2015]
C.D. Severino,F.J.M. Gonçalves,S.C. Darido
A prática do basquetebol por meninas nas aulas de educação física escolar no município de Volta Redonda: a visão dos professores
Motricidade, 11 (2015), pp. 36-47
[Spence et al., 2012]
M.L. Spence,C. Costello,E. Fitzhugh,B. Greer,R. Muenchen,R. Gibbs,N. Moustaid-Moussa
Weight status, dietary intake, physical activity, and subjective social status of adolescents in grades 7‐12 participating in a national creative competition
FASEB, 26 (2012), pp. 1b355
[Spohr et al., 2014]
C. Spohr,M.O. Fortes,A.J. Rombaldi,P.C. Hallal,M.R. Azevedo
Atividade física e saúde na educação física escolar: efetividade de um ano do projeto “Educação Física+‘’
Rev Bras Ativ Fís Saúde, 19 (2014), pp. 300
[Subramanyam et al., 2012]
M.A. Subramanyam,A.V. Diez-Roux,D.A. Hickson,D.F. Sarpong,M. Sims,H.A. Taylor jr
Subjective social status and psychosocial and metabolic risk factors for cardiovascular disease among African Americans in the Jackson Heart Study
Soc Sci Med, 74 (2012), pp. 1146-1154 http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2011.12.042
[Sweeting et al., 2011]
H. Sweeting,P. West,R. Young,S. Kelly
Dimensions of adolescent subjective social status within the school community: Description and correlates
[Sweeting e Hunt, 2014]
H. Sweeting,K. Hunt
Adolescent socio‐economic and school‐based social status, health and well‐being
[Tammelin et al., 2003]
T. Tammelin,S. Nayha,J. Laitinen,H. Rintamaki,M.R. Jarvelin
Physical activity and social status in adolescence as predictors of physical inactivity in adulthood
Prev Med, 37 (2003), pp. 375-381
[Valois et al., 2004]
R. Valois,K.J. Zullig,E.S. Huebner,J.W. Drane
Physical activity behaviors and perceived life satisfaction among public high school adolescents
J Sch Health, 74 (2004), pp. 59-65
[Varni et al., 2001]
Varni JW, Seid M, Kurtin PS. PedsQL (TM) 4.0: Reliability and validity of the pediatric quality of life Inventory (TM) Version 4.0 generic core scales in healthy and patient populations. Medical Care 2001; 39:800‐12.
[Weintraub et al., 2015]
M.L.R. Weintraub,L.C. Fernald,E. Goodman,S. Guendelman,N.E. Adler
Obesity‐related behaviors among poor adolescents and young adults: Is social position associated with risk behaviors?
Front Public Health, 3 (2015), pp. 224 http://dx.doi.org/10.3389/fpubh.2015.00224
Copyright © 2018. Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte
Idiomas
Revista Brasileira de Ciências do Esporte

Suscríbase al Newsletter

Opciones de artículo
Herramientas
Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí.

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?